19 ago 2010

Vargem estragada

Tive acesso a um blog de um pastor evangélico, que se declarou anti-Dilma. Deixo claro que respeito a ideologia polìtica de cada um, e nao sou petista. Aliàs, crìticas nao faltam ao atual governo PT/PL. Porém sinto muito pela ignorancia politica do brasileiro, especialmente da classe média. Pior ainda no meio evangélico.

Através Facebook e Twitter tenho acompanhado os comentàrios dos "crentes", que na minha visao, aqueles da classe média sao chatos e mediocres. Entre outras coisas escrevo com conhecimento de causa, pois até meus 30 anos vivi intensamente no meio protestante, e por isso minha crìtica é de uma experiència empìrica e nao apenas teòrica ou semantica.

Um conhecido e excelente mùsico evangélico, inteligente, por quem tenho grande admiraçao, hà poucos dias mostrou com o seu exemplo a alienaçao do mundo cristào. Crente conhece a Bìblia e se aliena do mundo, pensando apenas na salvaçao depois que as botas baterem.

Penso que se o Cristo deles passassem pela Terra hoje, sentiria vergonha daqueles que sao chamados seus seguidores. Vivem numa religiosidade doentia, mesmo se afirmam o contràrio. Ignorantes e alienados. Obviamente nao sao todos, mas a minha generalizaçao condiz com a maioria dentro o meu raio de conhecimento.

O texto desse pastor, Renato Vargens, pode ser lido aqui.

O tìtulo do post é Motivos porque não voto em Dilma Rousseff. A sus justificaçoes sao pìfias.

Eis a minha resposta:

Gentil Pt. Vargens,

Não creio que seja um problema que o sr haja uma posição política clara. Caracterizo tal ação como honestidade intelectual. Claro se o senhor manifeste sua opinião no púlpito da sua igreja, tratando-se de política, o sr deveria manter tal postura, abrindo seu espaço para uma opinião diversa da sua.

Sobre as criticas que faz, devo ser sincero, são medíocres. Não sou petista e tenho criticas ao atual governo.
Medo? de que? Esse discurso se ouvia em 2002, quando o PT/PL venceu o executivo nacional pela 1a vez. O medo foi justificado?

Dilma foi terrorista? Talvez o sr deveria estudar mais a fundo a historia do Brasil.

"Na verdade, Dilma não possui preparo e qualificação suficiente para excercer o cargo mais importante do Brasil" [sic]. Explica-se melhor, Pastor. O sr não é um critico, mas um juiz. Então, nesse caso, Pt Vargens, a sua opinião, não sendo apurada, na posição que o sr ocupa, talvez seja antidemocrática. O sr é um ministro da fé, isto é, muitos vêem no sr um líder.
Devo dizer também que o Brasil não é igreja. O presidente, seja quem for, não é um pastor, mas representa um sistema político, uma ideologia, e no caso da Dilma, por exemplo, representa o atual governo. Quem vota Dilma, vota a continuação do governo. Quem não, o desaprova ou prefere uma ideologia e sistema governativo mais adequado ao paìs. Caro pastor, espero que comece a refletir mais o pq não vote PT/PL. Tenho uma hipótese, mas não é o caso de tratar-la ao momento. Desconfio o motivo pelos quais muitos lideres da igreja evangélica tem dificuldades em apoiar o governo PT/PL. E tais fatos provêem do período do regime militar.
Pastor, se o sr não vota pelo PT/PL, a quem vai o seu voto?

1- PSDB/DEM: pq? O PSDB governa o Estado de SP desde 82 (como PMDB, no inicio. O governador Montoro, fundador do PSDB, que depois elegeu Quercia e Fleury, até a chegada do Covas, já sob a sigla PSDB. Independente de quem era, o governo político e técnico permanecem os mesmos desde 82 em SP). Tempo de sobra para resolver questões de responsabilidade do GOVERNO ESTADUAL, como a Educação, transporte, saneamento básico, saúde, habitação, emprego.
Faça, pastor, um balanço desses 28 anos de governo PSDB/DEM e SP e veja o que foi feito em cada área; não achismos, mas estude, se informe, veja os programas, as promessas feitas e as cumpridas.
Nacionalmente PSDB/DEM (95-02) e PT/PL (03-10) podem ser confrontados. O segundo foi melhor para o paìs. Se o sr quiser, posso justificar tal opinião.
2- PV: caro pastor, é um partido bonitinho. Colocou uma representante simpática para concorrer ao governo. Evangélica. Uma senhora de garra, doce e um sorriso sincero.
E mais, o PV tem propostas ideológicas interessantes, as quais apoio: Instituir o direito civil aos casais de fato e de direito (em outras palavras, união civil entre homossexuais), a legalização do Aborto, a descriminizaçao das drogas, a desocupação imediata da Amazônia.
Parece um sonho. O PT e o PSDB, a não ser pela questão da floresta, defendem os mesmo argumentos, mas infelizmente possuem alianças torpes e não puderam nos últimos 16 anos ao poder transformar tais questões em leis.
Se o PV vence, viabilizaria tais fatos. Eu concordo e apoiaria tais questões. Mas e o evangélico? Como seria para o crente o fato de um governo aprovar o casamento entre gays, liberar o uso de certas drogas e legalizar o aborto?
Sem contar que o PV é um partido sem força política ainda. Seria fantástico uma coligação PV/PSB/PC do B/PSOL, independente do candidato. Seria ótimo e teria o meu voto de olhos fechados. Porém o PV hoje é sò e tal vulnerabilidade poderia causar alguns problemas, como um novo golpe político (aquele de 64, + q um golpe militar, foi político).

Caro Pastor, espero que o sr autorize a publicação do meu texto. Não usei palavrões e nem lhe ofendi. Fui critico, mas com respeito. E como o sr mesmo diz, sou cidadão, tive a paciência de ler seus textos, e creio que seja coerente que o meu seja publicado, para o bem democrático.

Jota Videira
Jornalista e Sociologo
Doutorando em Sociologia pela EHESS - Paris

11 mag 2010

Dunga, a não!


Acompanhei a convocação dos 23 que deverão representar a Canarinho na África do Sul. Além do Grafite, poucas surpresas.
A imprensa, que muitas vezes exagera, està oom medo do Dunga. Juka Kfouri, Avalone, aqueles puxa sacos da Globo. Todos sem colhões para criticar o super criticável Dunga. Alias, ele e o BURROcratico Jorginho, formam a pior dupla do futebol brasileiro, acostumada com vitorioso casamentos: Pelé e Coutinho; Parreira e Zagalo; Bebeto e Romario, Ronaldo e Rivaldo.

Se o Brasil ganhar a Copa, que duvido, será por incompetência dos adversários. A atitude pragmática do Dunga empobrece o futebol. Assim como em 1990, na sua era, com o desastre Lazaroni. Em 1994, o futebol era muito feio. A culpa foi do Dunga. O Brasil teria vencido, talvez até mais fácil, do mesmo jeito se o Dunga estivesse fora, e o Mauro Silva fizesse dupla com o Mazinho e o Rai fosse o titular, e capitão. A sorte que o Brasil nos EUA tinha Romario em grande forma. Mesmo assim, venceu, como poderia ter vencido a Itália.

Este ano é uma mistura de 1990 e 94, mas sem Romario. Jogadores, ou melhor, atletas bons, mas nenhum fora de série. O Kakà seria, mas està bichado e, mesmo assim, deverà carregar dois pianos por partida.

Eis a lista de Dunga:

GOLEIROS
Júlio César (Inter/ITA)
Gomes (Tottenham/ING)
Doni (Roma/ITA)?????? Eu adoro o Doni desde  a época do Brasil. Tecnicamente é bom, diferente da sua atual fase. É reserva no Roma do Júlio Sérgio, ex Santos. O Vítor, o Hélton, o até mesmo Rogério Ceni, poderiam ser a opção.


LATERAIS
Maicon (Inter/ITA)
Daniel Alves (Barcelona/ESP)
Michel Bastos (Lyon/FRA)
Gilberto (Cruzeiro)
Bastava um esquerdo, jà que D. Alves pode jogar também daquela parte, e muito melhor dos dois convocados juntos. O Michel poderia ser a opção, ou talvez o Maxwell. Nao mudaria nada, porque no time titular, seria maravilhoso Maicon e Alves juntos.


ZAGUEIROS
Lúcio (Inter/ITA)
Juan (Roma/ITA)
Luisão (Benfica/POR)
Thiago Silva (Milan/ITA)?????? O Dunga realmente não acompanha o futebol italiano. Provou isso com o Doni e repete com o T. Silva. Diferente da lateral esquerda, o Brasil, atualmente conta com excelentes zagueiros. Burrice. E não tenho medo de dizer!

MEIAS
Kleberson (Flamengo)
Felipe Melo (Juventus/ITA)
Gilberto Silva (Panathinaikos/GRE)
Josué (Wolfsburg/ALE)
Kaká (Real/ESP)
Ramires (Benfica/POR)
Elano (Galatasaray/TUR)
Júlio Baptista (Roma/ITA)

Mais idiota, impossível. F. Mello? Tenho certeza que Dunga é um pão-duro, daqueles mais duros que uma pedra. Por que carga d’aguas a CBF não pagou uma assinatura de tv a cabo ou satélite ao pseudotécnico acompanhar  o campeonato italiano? Depois de Doni, T. Silva, agora F. Mello? Não, ele não viu nenhuma partida do Calcio. E como dizem por là, Porca Puttana, ma che cazzo fa questo bastardo?

  Uma outra prova que lui non se ne frega del calcio italiano é ter deixado Ronaldinho fora da lista e ter chamado Júlio Baptista, que também é reserva absoluto no Roma.

Depois deixar Ganso e Hernanes fora é lamentável.


ATACANTES
Luís Fabiano (Sevilla/ESP)
Robinho (Santos)
Nilmar (Villarreal/ESP)
Grafite (Wolfsburg/ALE)

Atacantes. O Brasil não vive um bom período no setor. Os geniais estão gordos e fora de forma. Os quatro acima são bons, mas não òtimos. Medíocres. Não tenho opinião formada, até porque creio que uma possível convocação do Neymar seria apenas para fazer nùmero, como o Ronaldo, em 1994. Se lhe ajudasse a crescer e evoluir se aproximando àquilo que fez o fenómeno, então, sò nesse caso, levaria o Neymar. Mas daria prioridade ao meio-campo, que faz chorar.


Na minha opinião, juntando com as dos outros 190 milhões pseudotreinadores, assim como são Dunga e Jorginho, seria:

Goleiros: J. César, Gomes, Vítor
Zagueiros: Lúcio, Juan, Luisao e Miranda
Laterais: D. Alves, Maicon, Maxwel
Volantes: Gilberto Silva, Mineiro, Josué, Ramires e Hernandes
Meias: Kakà, Ronaldinho, Elano, Ganso
Atacantes: L. Fabiano, Robinho, Nilmar, Grafite


Suplentes: Rogério Ceni, Marcelo, Alex Dias, Felipe Melo, Júlio Baptista, Neymar e Adriano

 . . .

Eu penso que a Argentina será campeã. Tem jogadores bons e um técnico humano, não um idiota como o Dunga que passa filminho ao jogadores antes da partida. Tem um génio chamado Maradona, muito mais carismático. Enfim, um grupo que representa a beleza do futebol. O pragmatismo burocrático podemos deixar com os ingleses, americanos e italianos.
A Espanha tem um time forte. Muito, com o futebol, assim como da Argentina, bonito de ser, não chato, como o ranzinza e sempre zangado Dunga, um dorminhoco, que não acompanha o futebol italiano, se sente o mestre, com um carácter nada dengoso ou feliz. Uma múmia! Mas mesmo assim, creio que ainda, infelizmente, talvez, não é a vez da Espanha, assim como não foi para a Colômbia em 1994, Holanda, em 98, França, em 2002 e Brasil, em 2006.

Espero pagar a língua. Caso contràrio, comemorarei o fato que a carreira de Dunga, e de seu fiel puxa saco, Jorginho, chegou, chegaram ao fim.




20 nov 2009

Flics Porcs Assassins e o fascismo italiano!

Flics Porcs Assassins!

Este é um grito muito usado nas manifestaçòes em paìses de lìngua francesa. Traduzido ao portuguès brasileiro paulistano, é "Gambés, Porcos, Assassinos!"

Ao ver uma matéria da RBS-SC, rede de televisào do grupo O Globo, que mostra a agreçào covarde e injustificàvel de policiais militares à um jovem, porque esse guiava uma moto sem a carteira de habilitaçào, mais uma vez nào poderia de deixar minha revolta contra as forças de ordens brasileiras, mais especificamente do falido estado de Santa Cataria.

As cenas, gravadas por um celular de um passante, sào chocantes (VER O VIDEO AQUI). A violència policial é um dos crònicos problemas brasileiros que devem ser resolvidos. O pior foi a resposta da PM, que promete investigar o caso, "ouvir testemunhas", para um possìvel processo, que, como pena, poderà transferir o soldado a uma outra cidade. Que ridìculo! O fato em si é grave. Um cidadào como o tal, nào pode ser um policial. Eh um criminoso e deveria ser julgado por abuso de poder, agressào e até tentativa de homissìdio DOLOSO, pois atingiu a cabeça da vìtima com o cacetete, que o poderia ter levado à morte. Vergonha!

. . .


CESARE BATTISTI

Ok, o Supremo Tribunal Federal, por cinco votos a quatro, decidiu, na ùltima semana, a favor da extradiçào de Cesare Battisti, mas deixando a ùltima palavra ao Executivo nacional, que por sua vez afirma nào ter "pressa" para o veredito. Tarso Genro defende a permanència do ex-ativista na condiçào de asilo polìtico, alegando que existe uma pressào fascista do governo italiano para haver Battisti, que deveria cumprir a pena màxima da justiça italiana, a prisào perpétua.

Deixo claro que Genro nào acusou a Itàlia de ser uma paìs fascista: "
A Itália não é um país nazista nem fascista, mas vem sendo constatado um crescimento preocupante do fascismo em parte da população italiana". Tem razào. Esse seria um motivo para conceder o asilo polìtico a Battisti. A segunda, dentre outras, é pròprio a diferença entre a pena màxima na Itàlia, a prisào perpétua, que no Brasil, ainda bem, nào existe!


. . .

Queima de Arquivo

Morreu ontem na Itàlia, carbonizada dentro de seu apartamento, o travesti Brenda, que em outubro foi protagonista de um caso que foi primeira pàgina de todos os jornais italianos, pelo seu envolvimento com o ex-governador da regiào Lazio, centro do paìs, Piero Marrazzo (LEIA A MATéRIA EM ITALIANO AQUI). Na ocasiào, Marrazzo deixou o cargo depois de ser ameaçado pelos Carabinieris (polìcia especial italiana) por ter sido flagrado no apartamento de Brenda, numa noitada de sexo e cocaìna. No programa da Rai2, Annozero, a repòrter tentou entrevistar Brenda, que se recusou, dizendo que era um arquivo vivo, que sabia muito e por isso tinha MEDO de falar (Veja o VIDEO aqui). Hoje é morta! Queima de Arquivo?



08 nov 2009

UNIBAN: Universidade Banal

Volto à questão sobre o fato vergonhoso ocorrido no campus do ABC da Universidade Bandeirante de São Paulo (UNIBAN), quando a estudente Geisy Villa Nova Arruda, aluna do curso de turismo, foi gravemente humilhada por "universitàrios" no dia 22 de outubro por estar de "roupa curta", sendo obrigada a sair escoltada pela Polícia Militar paulista.

O problema é que, segundo divulgado pela imprensa, a presente instituição, através de um artigo publicitàrio divulgado hoje nos principais veìculos de informação, teria "desligado" Geisy do seu quadro discente (leia o comunicado AQUI) por "flagrante desrespeito aos princípios éticos, à dignidade acadêmica e à moralidade".

A UNE, União Nacional dos Estudantes, através de nota oficial considerou a posição unibanista uma "violência sexista". (Leia AQUI a nota na ìntegra).

O MEC pretende apurar o fato e repudia a expulsão da jovem, alegando que “essa história absurda teve um desfecho ainda mais esdrúxulo” (Leia a matéria no site do G1).

Eu na minha posição de estudante mestrando e pesquisador pelas universidades de Trento na Itàlia, e Paris Descartes (Paris 5), na França, sociòlogo, jornalista e cidadão não posso aceitar a atitude indigna, preconceituosa, machista e autoritària da Uniban, e, principalmente, a postura dos colegas de Geisy, que em modo patético lotaram os corredores do prédio da "universidade", para xinga-la, desrespeita-la, insulta-la, agredi-la e violenta-la com gritos e atitudes, como por exemplo, gravar imagens através de aparatos audiovisuais.

. . .


Para quem não conhece a història da Universidade Bandeirantes de São Paulo, informo que se tornou universidade a partir do inìcio do governo de Fernando Henrique Cardozo, quando os centros universitàrios de esquina, verdadeiras empresas lucrativas, tiveram aval do então ministério da educação para se tornarem universidades. A idéia era aumentar as vagas de alunos universitàrios, democratizando o ensino superior. Bobagem! Tal fato servia ao governo no processo de privatização e prostituição da esfera pùblica, visando atrair o investimento de capital estrangeiro no paìs, seguindo as tendèncias liberais do mercado ocidental, melhorando a imagem do Brasil no exterior através de dados estatìsticos.

Em poucas palavras, a universidade hoje é praticamente uma continuação obrigatòria da escola. O diploma é necessàrio para o futuro profissional. O senso de universidade não existe e a pesquisa continua nas mãos de uma minorança. Não foi uma democratização do ensino superior, mas uma nova possibilidade ao mercado financeiro e um modo de maquiar a insuficiència do ensino fundamental no paìs.

O aluno de uma destas universidades de esquina, precisa do diploma para ter um futuro melhor. Não pode estudar numa boa escola particular e, portanto, hà menos possibilità na concorrència de uma vaga numa universidade pùblica. Decide então de matricular-se numa instituição privada, cujo os dirigentes/fundatores foram apoiadores do regime militar no Brasil. Deve pagar tanto e por isso trabalha o dia inteiro, pois o curso é noturno. Os professores não podem exigir muito, pois o coitado não tem força e tempo disponìvel para dedicar-se como poderia e deveria. Depois de quatro anos o garoto se forma, como na escola. Seguiu os cursos, fez provas, saiu com os amigos, falou de mulheres, carros e futebol, comprou um novo telefone celular, uma camisa Puma, bebeu Skol. Pronto, diplomado! Ele não é mais ou menos inteligente de um que estudou numa universidade pùblica, teve tempo para fazer pesquisa, esudar, pensar. Não é mais ou menos capaz. Não! Absolutamente. Não! O problema é que teve menos possibilidade em relação ao outro, e sem tem tempo para pensar livremente, não entende que é um produto do sistema, esfrutado pelo tal.

Toda a energia daqueles colegas de Geyse, que em modo covarde e preconceituoso a agrediram, poderia ser usada contra a pròpria instituição, solicitando à sua estatização, ou melhor ainda, a promover a ocupação do reitorado para uma auto-gestão! Enquanto isso não acontecer, a Uniban continuarà sendo uma empresa, que explora seus clientes, prostituindo o sentido de universidade, sendo uma universidade de esquina, isto é, uma Puta, sem desmerecer àquelas que dignamente o fazem por profissão.







04 nov 2009

GOL CONTRA


No dia 26 de outubro, a médica Ana Flávia Pinto Silva teria atacado com frases racistas um funcionário do check in da Gol, no aeroporto Santa Maria, em Aracaju, estado de Sergipe. Os provàveis insultos foram registrados por uma vìdeocamera, talvez de um telefone celular, devido à péssima qualidade de imagem e audio. (VEJA O VIDEO AQUI)

Difìcil, muito difìcil acusa-la até porque não estava presente e, principalmente, não sou juiz. Do que eu vi, confesso, é assustador. Um absurdo. Seriam vàrios aspectos a serem comentados. Frases de alto teor racista existem. Assim como uma "pobrefobia", isto é quando para ofender os funcionàrios, a DOUTORA, escolhe de frases que "enaltecem" uma calsse socio-economica inferior à sua. Infeliz, como se a pobreza fosse um defeito. "Morto de fome [...] Não tem onde cair morto. Não tem dinheiro para comprar um prato de feijão. Cachorro. NEGO (sic)", foram algumas de suas "pérolas".

Além disso tudo, que jà seria muito grave, ela invadiu a àrea de check in do aeroporto. Aqui na Europa poderia até ser considerado um ato terrorista.

Tudo começou porque teria perdido seu vòo de lua-de-mel à Buenos Aires. Obviamente não é uma situação agradàvel. Talvez o funcionàrio tenha errado, talvez não. No vìdeo ela disse que chegou 15 minutos antes. Precisa saber antes de que? Do fechamento do check in ou do vòo? Se da primeira opção, ela teria razão de reclamar junto à empresa. Se ao invés é a segunda, a então recém casada deveria saber que existem regras a serem seguidas, para à sua pròpria segurança e aos demais (sem bem que aparentemente ela não seja uma que se preocupe tanto com o pròximo. Espero que sua especialização não seja oculista, pois além do seu umbigo nada enxerga), sem contar o crònico problema do espaço aéreo brasileiro. Pouco tempo faz existia uma forte crise no setor. O "jeitinho brasileiro", no aeroporto não pode existir.

Independente porém do culpado ou culpada, NADA justifica sua atitude. Nada. Pode se explicar como quiser, dizendo que estava nervosa, deprimida, etc (leia AQUI seu pedido de desculpas). Não justifica e, na minha opinião, deve ser processada e julgada, pela justiça comum e também pela ordem dos médicos. Repito, que apesar do seu pùblico pedido de desculpas, com uma dose de sentimentalismo, sua atitude não pode ser justificada. Uma agressão. Um ato violento contra o jovem Diego José Gonzaga, que não o conheço, mas conselhar-lhe-ia de não amolecer e não retirar a denùncia contra crimes raciais.

A médica mostrou-se ser uma pessoa cafona, baixa, sem educação.

Espero que a Gol Transportes Aéreos se pronuncie a respeito, repudiando à atitude da cliente, solidària ao seu funcionàrio. Ao contràrio, a omissão da companhia poderia ser interpretada como uma atitude de mercado, preterindo uma pessoa ao lucro, um gol contra!

03 nov 2009

MALDITA CATARINA

Começo com um longo nariz-de-cera, pròprio porque o argumento a ser tratado é muito, muito triste.

O estado de Santa Catarina é ou poderia ser um territòrio paradisiaco. A sua costa està entre uma das mais charmosas do Brasil. A situação socio-polìtica porém é uma das piores de todas as unidades da federação. A maioria dos rios são poluìdos e jà praticamente comprometidos pela produção de carne, seja pela pecuària, como pela cultivação de milho para alimentação suina. Se passamos à questão racial, mais problemas. O racismo existe e é notàvel entre os catarinenses, incluindo alguns jovens, borgueses e estudantes que conheci na Itàlia e na França.

Não poderia deixar de citar a precariedade do saneamento bàsico no estado, uma questão crònica, que deveria ter sido tratada no final do século XIX, e apenas agora o governo resolve tomar algumas medidas.

O poder executivo catarinense do final da ditadur militar até hoje foi e é representado principalmente por: Esperidião Amim (PDS - partido que depois se transformou em PP e agora é o atual DEM), de 1983-1986 e de de 1999-2002. Praticamente a continuação do regime ditador. Pedro Ivo (PMDB - partido que apesar de ter feito oposição à ditadura, foi responsàvel pela introdução do sistema neoliberal no paìs, fechando os olhos à educação , à saùde, à reforma agrària e à segurança), de 1987-1990 (quando faleceu). Vilson Kleinubing, PFL (partido liberal, de direita), de 1991-1994. Paulo Afonso Vieira (PMDB, 1995-1998), e o atual LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA, desde 2003, da coligaçào PMDB/PSDB.

Luiz Henrique foi membro do DOPS (Departamento de Ordem Polìtica e Social) durante o Regime Militar no Brasil, denunciando os opositores à ditadura.

O DOPS, entre outras coisas, é conhecido pelo o uso da tortura como métodos de investigação e punição .

Depois desta longa introdução posso finalmente escrever sobre o argumento que me faz abdicar-me dos meus trabalhos acadèmicos pelo dever de manifestar-me como cidadão, jornalista, sociòlogo e, acima de tudo, ser humano contra o ocorrido na Penitenciária de São Pedro de Alcântara, na Grande Florianópolis, em Santa Catarina.

Imagens gravadas com uma vìdeocamera, mostram alguns detentos sendo torturados por agentes penitenciàrios num banheiro do complexo. Suas m
ãos estavam algemadas. Numa das cenas, depois de momentos de extrema violència, um condenado tem sua cabeça introduzida na privada. Uma cena absurda (veja o artigo e o vìdeo AQUI)

Conforme o segundo paràgrafo do artigo 2 da Convenção das Nações Unidas em Genebra, Suiça, em 1987, contra a Tortura e outros tratamentos ou penas cruéis, Ddsumanos ou degradantes, a tortura não pode ser jamais justificada, independente do caso.

Na matéria exibida pelo Fantàstico, no ùltimo domingo (1/11/2009), o governador Silveira diz que os agentes serão afastados. Sò afastados! Serà porque como ex membro do DOPS, as imagens não são assim graves ao irresponsàvel chefe de estado de Santa Catarina? Como assim AFASTADOS? Os agentes devem ser julgados e responderem pelos crimes de abuso de poder, tortura, agressão, tentativa de homicìdio, formação de quadrilha, dentre outros.
Um artigo do jornal O Globo diz que UM agente foi afastado. Um agente! Era um grupo dentro daquele banheiro.

E a postura da mìdia? Vergonhosa. O Fantàstico, que é uma revista semanal, com mais cara de entretenimento que jornalismo (creio que o programa seja diviso entre a Central Globo de Jornalismo e a Central Globo de Produçòes), foi quem denunciou o fato. E os outros jornais? A passear por alguns quotidianos brasileiros não encontrei nada, além, é claro dos jornais locais, de um fato que deveria ser capa de todos os veìculos mediàticos. O jornal O Globo, um dos poucos de abrangència nacional a comentar o caso, foi suave no olho da notìcia: "Maus Tratos".

Recentemente na Itàlia, um jovem morreu na prisão supostamente vìtima de tortura. A repercussão midiàtica foi intensa, apesar de, na minha opinião, não ter sido suficiente e não resolver o caso (Uma vergonha também por parte do governo italiano). Stefano Cucchi, 31 anos, morto na penitenciària de Roma enquanto esperava o julgamento por porte de droga. A famìlia de Stefano que aguardava suas notìcias por parte dos Carabinieri, recebe o comunicado que o filho é morto! Independente do descaso do governo Berlusconi, mas a mìdia, pelo menos, dà mais importància.

O ocorrido em Santa Catarina, n
ão é uma novidade. A tortura no Brasil existe e os métodos usados na prisão de Guantánamo parecem ser leves em comparação às prisòes governadas de um ex membro do DOPS.


29 ott 2009

A PUTA UNIBAN

http://www.youtube.com/watch?v=KGxQ8XtXpaQ&feature=related

Lamentàvel, triste este vìdeo (clique aqui) que mostra uma estudante da Universidade Bandeirante de Sào Bernardo do Campo-SP, humilhada ao sair escoltada do campus pela Polìcia Militar, aos gritos de "Puta", porque, segundo reportagem publicada pelo site G1 da Globo, teria ido à aula com um vestido curto.

Eu nào posso acreditar que numa universidade um fato como esse possa acontecer. Alunos que se rebelam porque uma colega teria se vestido em modo "ousado". Um regresso à idade média? Nào, infelizmente esta nào pode ser a justificativa. Seria mais fàcil entender. O problema é muito pior. Estamos praticamente à porta de 2010, numa metròpole cosmopolita como Sào Pauo, dentro de um campus de uma "universidade". Sim, coloco entre aspas porque a Uniban, assim como muitas outras privadas (ou aquilo que fisiologicamente depositamos nas privadas todos os dias) sào exemplos da péssima condiçào do ensino superior brasileiro e a precariedade total no sistema de educaçào nacional, principalmente no estado paulista. Universidades de esquinas, isto é, PUTAS. Bom, talvez eu possa ser otimista, acreditando que os "estudantes" gritavam Puta Puta à instituiçào e nào à garota.

E mesmo se a tal protagonista fosse uma prostituta, qual seria o problema? Deveria ser condenada? Imagino que se uma prostituta entrasse na Uniban seria apedrejada. Atençào, nào estou contando a història de Maria Madalena que, entre outras coisas, era puta de verdade e, junto com Maria, màe de Jesus, e a outra Maria, irmà de Marta, esteve fiel ao Cristo até a morte, diferente dos apòstolos, que covardemente escaparam ou trocaram o mestre por qualquer moeda de prata. Naquele caso a tal puta, que era realmente, e sofreu por ser, que é menos pior que sofrer e nào ser, foi mais leal, mais confiàvel que todos os demais. Mas nào, nào escrevo a història de Madalena, estou a contar a història de uma estudante universitària, que provavelmente trabalha dignamente de dia, pois estuda a noite, para pagar os estudos. Talvez porque nào teve o privilégio de frequentar uma boa escola particular ou um cursinho, por isso com chances mìnimas de concorrer à uma vaga numa universidade pùblica, onde paradoxalmente estudam aqueles que podem ser sustentados pelos pais e màes. Ela deve ter ao màximo 22 anos, por isso é fruto do governo paulista que destròi a educaçào elemnetar pùblica desde 1982 (Montoro, Quércia, Fleury, Covas, Alckimin e Serra). Deve trabalhar e pagar seus estudos.

A culpa portanto é sua de ser chamada PUTA? Por que a menina usava um vestido "ousado"? NAO, a culpa é sua porque deve (entào os culpados sào aqueles que a "obrigam a") frequentar uma universidade de esquina, uma empresa como outras, que explora a mediocridade educacional brasileira e, acima de tudo, paulista.

Perdào pelos erros e pelos caractéres estranhos. Uso um teclado italiano, dentro de uma universidade francesa (Paris V - Réne Descartes), enquanto estudo o livro CAPITALISME ET PULSION DE MORT, de GILLES DOSTALER ET BERNARD MARIS.

Um forte abraço. Jota diretamente de Paris, mas com o coraçào no Brasil, e por isso indignado!