29 ott 2009

A PUTA UNIBAN

http://www.youtube.com/watch?v=KGxQ8XtXpaQ&feature=related

Lamentàvel, triste este vìdeo (clique aqui) que mostra uma estudante da Universidade Bandeirante de Sào Bernardo do Campo-SP, humilhada ao sair escoltada do campus pela Polìcia Militar, aos gritos de "Puta", porque, segundo reportagem publicada pelo site G1 da Globo, teria ido à aula com um vestido curto.

Eu nào posso acreditar que numa universidade um fato como esse possa acontecer. Alunos que se rebelam porque uma colega teria se vestido em modo "ousado". Um regresso à idade média? Nào, infelizmente esta nào pode ser a justificativa. Seria mais fàcil entender. O problema é muito pior. Estamos praticamente à porta de 2010, numa metròpole cosmopolita como Sào Pauo, dentro de um campus de uma "universidade". Sim, coloco entre aspas porque a Uniban, assim como muitas outras privadas (ou aquilo que fisiologicamente depositamos nas privadas todos os dias) sào exemplos da péssima condiçào do ensino superior brasileiro e a precariedade total no sistema de educaçào nacional, principalmente no estado paulista. Universidades de esquinas, isto é, PUTAS. Bom, talvez eu possa ser otimista, acreditando que os "estudantes" gritavam Puta Puta à instituiçào e nào à garota.

E mesmo se a tal protagonista fosse uma prostituta, qual seria o problema? Deveria ser condenada? Imagino que se uma prostituta entrasse na Uniban seria apedrejada. Atençào, nào estou contando a història de Maria Madalena que, entre outras coisas, era puta de verdade e, junto com Maria, màe de Jesus, e a outra Maria, irmà de Marta, esteve fiel ao Cristo até a morte, diferente dos apòstolos, que covardemente escaparam ou trocaram o mestre por qualquer moeda de prata. Naquele caso a tal puta, que era realmente, e sofreu por ser, que é menos pior que sofrer e nào ser, foi mais leal, mais confiàvel que todos os demais. Mas nào, nào escrevo a història de Madalena, estou a contar a història de uma estudante universitària, que provavelmente trabalha dignamente de dia, pois estuda a noite, para pagar os estudos. Talvez porque nào teve o privilégio de frequentar uma boa escola particular ou um cursinho, por isso com chances mìnimas de concorrer à uma vaga numa universidade pùblica, onde paradoxalmente estudam aqueles que podem ser sustentados pelos pais e màes. Ela deve ter ao màximo 22 anos, por isso é fruto do governo paulista que destròi a educaçào elemnetar pùblica desde 1982 (Montoro, Quércia, Fleury, Covas, Alckimin e Serra). Deve trabalhar e pagar seus estudos.

A culpa portanto é sua de ser chamada PUTA? Por que a menina usava um vestido "ousado"? NAO, a culpa é sua porque deve (entào os culpados sào aqueles que a "obrigam a") frequentar uma universidade de esquina, uma empresa como outras, que explora a mediocridade educacional brasileira e, acima de tudo, paulista.

Perdào pelos erros e pelos caractéres estranhos. Uso um teclado italiano, dentro de uma universidade francesa (Paris V - Réne Descartes), enquanto estudo o livro CAPITALISME ET PULSION DE MORT, de GILLES DOSTALER ET BERNARD MARIS.

Um forte abraço. Jota diretamente de Paris, mas com o coraçào no Brasil, e por isso indignado!

14 commenti:

Lela ha detto...

Hipocrisia, pura e simplesmente. Não é de hoje, mas estranha que ainda exista. Porque todo mundo que chamou a garota de puta deve ter lido o livro da tal Surfistinha, mas estudar com uma? Pera lá, assim não pode, são pessoas honradas, direitas, que não fazem mal a ninguém - porque pecado é roubar e matar. São pessoas que cantam "all you need is love" sem entender a mensagem tão óbvia. São hipócritas!

Abraço, também indignado, querido Jota.

blnz ha detto...
Questo commento è stato eliminato dall'autore.
blnz ha detto...

Ahm, não é bem assim. Você diz que a menina não fez nada de errado, apenas usou um vestido curto. A garota estava usando apenas o vestido (sem nenhuma roupa íntima).

Realmente, não haveria razão para chamar a pobre coitada de puta, porém quem mostra o que quer ouve o que não quer. Não é, como o senhor bem diz, por culpa da razão social ou da pressão capitalista que esta garota se vestiu assim. Ela se vestiu assim para chamar atenção. Conseguiu, um pouco demais.

E não é hipocrisia, ou influência do livro da Bruna surfistinha (que você tem que ler para falar mal, senão É preconceito), mas sim pudor. Se a moça resolve ferir a minha moral e os bons costumes tentando se expressar, porque eu não posso me expressar e falar que ela é uma prostituta?

Só pra terminar, praticar ato obsceno em público, o que inclui o uso de roupas inapropriadas, é tão crime quanto matar ou roubar. Melhor ler mais, Lela, nem que seja o livro da surfistinha...

PS: Eliminei o outro porque deu pau aqui no meu pc e mostrou-me que só havia sido publicado meio comentário

Jota ha detto...

Blnz,

Creio que seja hipocresia o que fizeram os "estudantes". Teu discurso é muito pesado, como àqueles que defendem que a culpa do estrupo é da vìtima porque usava roupas "provocantes". Ferir a moral e os bons costumes por um vestido curto? Meu Deus, onde estamos?!
Se vieres a Paris entào, cara, deveràs procurar um psicòlogo, pq serà muito difìcil para ti ver algumas cenas, principalmente no verào.
O moralismo e a religiào sào duas coisas que ferem a sociedade. Bom costume é ler bons livros, escutar boas mùsicas e, acima de tudo, respeitar o ser humano, independente de quem seja. Nào é porque algum se veste de um modo que nào concordo, que me legitima xingar-lo. O discurso é muito mais sério.
Obrigado pelo teu comento. Um abraço

Robson ha detto...

o que me causa indignação neste fato é que a hipocrisia é calçada em argumentos de falso moralismo. O que aconteceu foi nada mais que bullyng, puro e simples. Sadismo. Nada mais. Foi-se o tempo em quem estudantes protestavam de verdade por ferir a moral e os bons costumes! Nunca mais vi aqueles estudantes... onde estão?!?

blnz ha detto...

Jota, primeiro que comparar o que eu disse à defesa de estupro por razão da vítima é confundir cú com pera. O que eu disse foi que, se ela vai com uma blusa longa fazendo vezes de vestido, ela teria de esperar que alguém a chamasse de putinha. O problema é que fora a faculdade inteira que assim o fez.

Agora, sobre paris no verão, isso é problema dos parisienses. Por ai os homens poderiam todos usar vestidos e as mulheres focas vivas como roupas no verão, que eu não iria me importar menos. Agora, no Brasil, em um Faculdade, há de se seguir as leis brasileiras. E, no Barsil, há leis que punem tanto o lado dos que xingaram quanto o lado da menina. O problema é que todos só estão vendo o lado A da coisa.

Robson, foi-se o tempo em que não podia-se chamar tudo de bullying. Se você queria ver algum estudante protestando por moralismo, podia ter certeza que no meio do bolo de festeiros havia alguns. Estes eram o que estavam realmente indignados com a menina e com as suas vestes, e que devem ter ficado putos da vida quando veem toda essa manifestação pró "roupinha de puta na facul".

E se vocês acham que o moralismo acabou, que os bons costumes são coisa do passado, pensem nessa cena. Ninguém fez nada com a menina. Então sua filha ou irmã um dia começa a ir para a faculdade daquele mesmo modo, porque alguém começou e os garotos agora estão "chegando" só nessas meninas. Você, como pai ou irmão, acha normal essa roupa para a faculdade só porque os parisienses usam pior, ou ia pensar consigo mesmo "meu Deus, que que eu faço, virou puta!"

Robson ha detto...

ok... tudo bem... você me convenceu... o mundo é feito de putas e todas que ousarem passar pela porta da Uniban receberão o decoroso tratamento merecido por serem assim. Claro! O novo e revolucionario reduto do moralismo e dos bons costumes! Onde eu estava esse tempo todo que nao tinha descoberto essa Uniban? Descobrir-me um alienado me chocou... Descobrir que andar de mini saia numa faculdade eh mais grave que fazer prova bebado, realizar trotes depreciativos, desrespeitosos e violentos, pressionar professor para ser aprovado porque esta pagando, comprar monografias ou mesmo colah-las dessa vasta internet me foi forte demais... preciso rever meus conceitos de moralidade e protestar pelos motivos certos.Opa! deixa eu ir ali na rua! Ta passando uma puta de mini saia e na chuva! Vou alerta-la de sua condicao de puta e sobre o risco de pegar um resfriado! fui

blnz ha detto...

Aqui no Brasil, Trooling ja e algo velho, ninguem mais cai nisso. Quem sabe ai na Franca, na Italia ou qualquer que seja o pais que te deixou fresco seja algo novo e as pessoas ainda caiam nisso =D

Jota Videira ha detto...

Robson... concordo contigo. Os estudantes que protestavam por coisas sérias sào poucos no Brasil. A maior prova é o presente fato, onde muitos ofenderam uma colega pelo vestido que usava.

Blnz, onde estào tais regras? Nào as conheço. O que existe é uma mediocridade crònica, nojenta e detestàvel. Primeiro falta de respeito. Depois uma falsa moralidade, pois dentre os "manifestntes" tinham àqueles que faziam fotos e vìdeos com os celulares. E depois, ofender uma pessoa é banal e burrice. Entre outrs coisas, ser puta nào é um problema, mas nào creio que os "sem noçào" nào gritavam "PUTA PUTA" para agrada-la, mas sim, obviamente, para ofende-la. Concordas ou nào?!

Tu definiste a cena como praticar "ato obsceno em público". Desculpe-me, mas nào é assim! Ato obsceno é Edir Macedo e seus discursos; o sistema de instruçào brasileiro, acima de tudo em Sào Paulo, graças ao regime militar e aos governos sucessivos (Montoro, Quércia, Fleury, Covas, Alckimim e Serra) que destruìram a educaçào no estado.

Os manifestantes bandeirantes deveriam direcionar suas energias para protestar com coisas realmente importantes: Educaçào, saùde, contra a violència policial. Nào, preferem abandonar as aulas para ofender gratuitamente uma colega, um ser humano.

blnz ha detto...

Que regras que eu tenho que te mostrar, Jota? Artigo 233 do Código Penal?

Eu não estou dizendo que os garotos estavam 100% certos, eu só estou dizendo que a mulher faminta por atenção está tão errada quanto eles.

Vocês ficam fazendo discurso bonito e irônico sobre o que é ruim e obsceno no Brasil, porém ignoram o ponto de que todos ali estavam errados e ninguém é vítima.

Óbvio que seria melhor se os sujeitos tivessem saído e ajudado órfãos manetas, mancos e que usam óculos, mas o mundo não é assim, povo!

Jota Videira ha detto...

BLNZ,

nao consigo, mesmo se esforçando-me, entender qual poderia ser o erro da garota. Usar um vestido curto? Meu deus, seria o fim do mundo. Penso que naquela universidade de esquina, entre os "manifestantes", exista um falso moralismo. Indignados gritam "PUTA PUTA" e fazem fotos, vìdeos.

A guria estava com um vestido curto e colado. Talvez demodè, fora de ocasiào, aquilo que for, mas nada, nada justifica a atitude violenta, o estupro moral que teve de suportar.

O 233? hahahaha para os manifestantes, claro (DC nº 3.688/41, artigo 61)? Com agravnte de crime contra a mulher!
E depois, vestito curto nào é ato obsceno, até pq alguém produziu, exibiu em vetrine, fez propaganda, vendeu. MAs que discursos sào esses, BLNZ???? Inquisiçào???

blnz ha detto...

Primeiro, você pode não ver o erro que esta garota cometeu à vontade porém eu vejo e te digo. Você não acreditar em mim que já são outros quinhentos...

Mesmo se os manifestastes tivessem cometido o artigo 61 da referida lei, comparativamente o ato tipificado pela conduta da moça estuprada moralmente ainda fora pior, visto que a pena dela seria de detenção, em face a pena de multa dos manifestastes.

Depois, não existe agravante pelo crime ser contra mulher. Brasil tem igualdade de sexos, salvo alguns casos.

Por último, não é só por estar exposto e ser vendido que se pode usar na rua, muito menos em qualquer lugar. Existe uma conduta mínima esperada, mesmo que seja em uma "faculdade de esquina".

Você já me atacou, atacou as minhas posições, a reputação da faculdade e até mesmo errou no ataque legal aos manifestastes. O meu discurso não é inquisitório, você que não aceita que possam existir duas posições diferentes sobre um tal assunto, que a minha tem revestimento legal e que, por isso, merece ser taxada de opressiva, atrasada ou hipócrita.

blnz ha detto...

Btw, http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,uniban-expulsa-aluna-assediada-por-usar-vestido-curto-em-aula,462814,0.htm

Jota Videira ha detto...

BLNZ

nào ataquei tuas opiniòes pessoais, apenas nào concordo contigo, como tu nào concordas comigo. A Uniban ataquei, e faço ainda, depois da “esdrúxula” decisào de de expulsar a estudante Geisy Villa Nova Arruda, que foi humilhada por alunos da "universidade" no dia 22 de outubro por estar de roupa curta, devendo ser escoltada pela Polícia Militar.
Contei o caso aos meus amigos. Nào acreditaram. Traduzi as matérias e ficaram todos de boca aberta.

Eu sou uma pessoa muito ativa no movimento estudntil, nào sou filiado a nenhum partido ou sindicato. Luto, lutamos pelo direito de cada estudante.

Se eu estivesse no Brasil, organizaria uma manifestaçào diante da Uniban, que, na minha opiniào, nào é uma universidade séria, mas uma empresa, que aproveita as fragilidades e a precariedade do ensino superior no Brasil, para ganhar dinheiro. Eh seu ùnico objetivo. O resto, passar o conhecimento, insentivar o pensamento livre, ficam em segundo e inexistente planos respectivamentes.

Abraços